Progredir: Governo federal lança programa para retirar 1 milhão do Bolsa Família


O governo federal deve lançar na próxima semana um novo programa social, cujo objetivo é elevar a renda de 1 milhão de famílias para que elas possam deixar o Bolsa Família em 2 anos. A informação foi divulgada ao portal G1 pelo ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra. A ação será batizada de Progredir. Serão oferecidos de qualificação profissional, auxílio à seleção de vagas de trabalho, além de R$ 3 bilhões em microcrédito para as famílias de baixa renda. “É um programa vinculado ao público do Bolsa Família, a população mais pobre do Brasil, que visa criar oportunidade de emprego e renda para essa população. Não é um programa para tirar as pessoas do Bolsa Família”, explica. De acordo com Terra, o programa é visto como “uma forma de emancipação”. Os detalhes do projeto foram fechados nesta quinta-feira (21) em uma reunião com Michel Temer, após seu retorno de Nova York. Jovens da cidade e do campo poderão ser beneficiados. A perspectiva é de que o Progredir possa abranger mais do que os 13,4 milhões de famílias que recebem o Bolsa Família, já que o CadÚnico reúne mais de 28,2 milhões de famílias. A solenidade de lançamento do programa está prevista para ser realizada para terça-feira (26). O Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), em ação conjunta com outras pastas, desenvolverá o trabalho em três eixos. Para qualificação profissional, serão criadas cerca de 1 milhão de vagas em cursos de formação inicial ou continuada e de qualificação profissional. No que diz respeito a intermediação de mão de obra, o governo mira 20 milhões de trabalhadores, para cruzamento de currículos e de vagas de empregos. No âmbito de microcrédito e educação financeira, serão oferecidos R$ 3 bilhões em microcrédito e cursos de educação financeira para 100 mil famílias e 1,7 milhão de autônomos.

Michel Temer tenta evitar rebelião na base após ataque de Rodrigo Maia


Após o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), acusar o PMDB e o governo de dar uma “facada nas costas” do DEM, o presidente Michel Temer assumiu nesta quinta-feira (21) a articulação para tentar contornar a insatisfação na base. Horas depois de chegar de Nova York, onde participou da Assembleia-Geral da ONU, Temer reuniu auxiliares e disse que marcaria uma conversa com Maia para resolver o problema e conter a rebelião. As declarações do presidente da Câmara foram feitas no momento em que Temer precisa de apoio parlamentar para barrar a segunda denúncia contra ele no plenário. Nesta quinta, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu, por 10 votos a 1, que a acusação apresentada pelo ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot contra o presidente, por organização criminosa e obstrução da Justiça, deve ser encaminhada aos parlamentares e entregou à Câmara a acusação. O desabafo de Maia foi feito após o assédio do PMDB a parlamentares do PSB que estavam prestes a ingressar no DEM. O partido de Temer conseguiu, recentemente, filiar o senador Fernando Bezerra Coelho (ex-PSB-PE). Pelo menos outros seis deputados do PSB, que estavam em negociação com o DEM, foram procurados pela cúpula peemedebista, enfurecendo Maia. O Planalto, porém, viu nas declarações raivosas do presidente da Câmara algo muito além do simples desabafo. Nos últimos dias, Maia tem feito movimentos em direção aos dissidentes do PMDB e à esquerda. Ele jantou na quarta-feira na casa da senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), que foi suspensa das funções partidárias após entrar em confronto com líderes da sigla. “Sobraram ali estocadas à condução política do governo”, afirmou o deputado Orlando Silva (PC do B-SP), um dos presentes ao encontro. “Mas o Rodrigo não conspira. Aliás, se ele quisesse, Temer já teria caído. O palácio é que está fissurado pela sobrevivência e vê fantasmas em todo canto.” O jantar reuniu, ainda, os senadores Renan Calheiros (PMDB-AL) e Eduardo Braga (PMDB-AM), ambos críticos do governo, além do presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB-CE), e de deputados de outros partidos, como Alexandre Baldy (Podemos-GO). Na noite de quinta, Maia esteve com o prefeito João Doria (PSDB-SP). A aproximação do presidente da Câmara com o tucano é vista pelo Planalto como mais um gesto político para a eleição de 2018. Tanto o PMDB como o DEM convidaram Doria para ser candidato à Presidência. Mais cedo, em um evento no Rio, Maia negou que os problemas entre PMDB e DEM possam influenciar na tramitação da denúncia contra Temer. “Não vamos misturar uma coisa tão grave, que é a denúncia, com um problema que envolve dois partidos e parte do Planalto”, disse. Embora aliados do presidente avaliem que o governo enfrentará menos dificuldade na segunda acusação, há muitos “fios desencapados”. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), admitiu que a nova acusação “perturbará” votações de interesse do Planalto. Além da revolta de Maia, deputados do Centrão – que reúne partidos médios, como PP, PTB e PSD – pressionam pela saída do ministro da Secretaria de Governo, Antônio Imbassahy (PSDB). Há também descontentamento por causa da polêmica em torno da medida provisória que cria o novo Refis. O líder do PMDB, Baleia Rossi, disse ao Estado que Imbassahy se fortaleceu com sinal de apoio mútuo dos demais ministros do PSDB como Bruno Araújo (Cidades) e Aloysio Nunes (Itamaraty). “Imbassahy tem uma função de atendimento dos parlamentares, então é natural que haja reclamação. Mas ele tem trabalhado direito.” Para o deputado Marcos Montes (MG), líder do PSD, os descontentamentos estão relacionados a indicações para cargos de terceiro escalão. Segundo ele, o partido se sente desprestigiado e gostaria de ter um espaço maior no governo, além do Ministério de Ciência e Comunicações, ocupado por Gilberto Kassab. Montes mostrou-se solidário à Maia. “A atuação do Rodrigo na presidência pode não alterar o resultado, mas é determinante em algumas situações. Ele está com espinho atravessado na garganta. Não sei de que tamanho é, se de lambari ou de pirarucu.”

 

Família identifica motorista de Uber morto a facadas; Polícia suspeita de latrocínio


Familiares do motorista de Uber Valdir de Almeida, de 31 anos, morto na terça-feira (19), em Feira de Santana, identificaram o corpo da vítima nesta quinta-feira (21). Segundo o Acorda Cidade, Almeida foi morto a golpes de faca em um matagal no bairro Aviário, perto da BR-324.  De acordo com a Polícia, a vítima foi atacada com vários golpes no pescoço, tórax, braço esquerdo, mão e rosto. Após o crime, os assassinos fugiram. O motorista ainda conseguiu chegar até o passeio para pedir socorro, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Ainda segundo o site, o veículo da vítima não foi encontrado, o que fez a polícia trabalhar com a suspeita de latrocínio [roubo seguido de morte]. Além do carro, foram levados da vítima uma quantia em dinheiro e um telefone celular.

 

 

Fonte: Bahia Noticias

Corpo de Bombeiros Militar da Bahia comemora dois anos de emancipação


 

O Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (CBMB) comemorou, na noite de quinta-feira (21), dois anos de emancipação. A corporação, antes vinculada à Polícia Militar da Bahia, conquistou, em 25 de agosto de 2015, autonomia administrativa, orçamentária e financeira. A solenidade realizada no auditório do Senai/ Cimatec, em Salvador, contou com a presença do vice-governador João Leão. “Eu trago um abraço muito forte do governador Rui Costa e parabenizo toda a tropa”, afirmou, anunciando a incorporação de 780 novos bombeiros aos cerca de 2.500 já existentes, a partir de 2018. Na entrada do evento, uma exposição de veículos novos e antigos e uma mostra fotográfica ajudavam a contar a história da Corporação na Bahia. A programação contou ainda com a entrega do diploma ‘Amigo do Bombeiro’ a autoridades e personalidades que contribuíram para a emancipação. “O maior desafio é estruturar uma instituição da importância do Corpo de Bombeiro para a sociedade baiana a partir do zero. Mas, como desafio é uma situação que sempre nos dá força, com a ajuda imensurável do nosso governador e do secretário da Segurança, Maurício Barbosa, nós conseguimos”, declarou o comandante do CBMB, Coronel Francisco Telles. O vice-governador João Leão, os secretários estaduais de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social, Carlos Martins, da Casa Civil, Bruno Dauster, e da Comunicação Social, André Curvello, e o subsecretário da Segurança, Ari Pereira, foram contemplados com o diploma ‘Amigo do Bombeiro’. ”Eu fico muito honrado, até porque participei ativamente desta autonomia. Eu vejo essa homenagem com muito carinho porque essa é uma corporação que todos nós aprendemos a admirar e amar”, disse Martins. Ainda compareceram à solenidade o secretário estadual da Administração, Edelvino Góes, e a secretária de Políticas para as Mulheres, Julieta Palmeira.

Estadão ‘Babel’ é o codinome de Geddel em novas planilhas da Odebrecht


 

 

Existem novos codinomes de caciques políticos do PMDB, segundo relatório do Ministério Público Federal (MPF).
De acordo com o jornal O Globo, no documento entregue ao Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima é identificado como “Babel”. Geddel teria recebido um total de R$ 2,1 milhões em 2010 e R$ 100 mil em 2013. Antes disso, pagamentos feitos em 2008 e 2009 indicam para propinas de mais de R$ 3,5 milhões. O ex-ministro, que foi preso na Operação Tesouro Perdido após ser vinculado a um bunker de R$ 51 milhões, também já foi identificado como ‘Jacaré’.
Nesse caso, o apelido seria uma referência à forma como o doleiro Lúcio Funaro chamava Geddel, comparando a ambição do baiano com a boca do animal (lembre aqui).
De acordo com a publicação, em algumas situações, um mesmo político contou com mais de um apelido nas planilhas e e-mails de pagamentos da empresa. Foi o caso do ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, que é apontado como “Primo”, “Fodão” e “Bicuira”. No total, os três pseudônimos teriam recebido quase R$ 5 milhões.

 

 

Audiência pública sobre segurança contra incêndio e pânico nas edificações e áreas de risco e realizada na câmera municipal de Alagoinhas


 

Fruto do requerimento nº 61/17, de autoria do vereador Ozeas Menezes, foi realizada na última quarta-feira, dia 20, uma audiência pública para esclarecer e debater a lei nº 12.929 de dezembro de 2013, que dispõe sobre segurança contra incêndio e pânico nas edificações e áreas de risco no estado da Bahia. Esta mesma lei criou o Fundo Estadual do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia (FUNEBOM).

O vereador Ozeas Menzes abriu os trabalhos convidando para compor a mesa: Ten. Cel. BM José Alberto Souza e Silva Junior, Comandante do 2º Grupamento de Bombeiros Militar de Feira de Santana, Major Luiz, representante do 4º BPM/Alagoinhas, BM Thiago dos Santos Moreira, Comandante do 2º Subgrupamento de Bombeiros Militar de Alagoinhas, Cap. BM Marcos Vinicius Carneiro Moreira, Chefe do setor de vistoria 2º Grupamento de Bombeiros Militar de Feira de Santana, Sub. Tem. BM Claúdia Lima, Subcomandante do 2º Subgrupamento de Bombeiros Militar de Alagoinhas, GCM Alan Oliveira, Comandante da Guarda Civil Municipal de Alagoinhas, Benedito Vieira, SICOMÉRICO Alagoinhas, Gilmar Cândido, representante da ACIA.

O vereador Ozeas agradeceu a presença de todos e pontuou: “Será uma audiência com a participação da sociedade na construção do diálogo a respeito do bem estar e segurança pública e realização de uma cidadania, contribuindo para uma melhoria e um futuro melhor para a nossa cidade.”

Posteriormente, passou a palavra para os integrantes da mesa. Após falas e saudações dos integrantes, o cerimonialista convidou o palestrante Cap. Marcos Vinicius que discorreu sobre segurança e combate à incêndio. O Bombeiro Militar citou casos de incêndios de grande repercussão ocorridos no Brasil e formas de prevenção, esclarecendo as dúvidas dos presentes no plenário da Câmara. Um dos itens levantados referiu-se à Lei Municipal e Estadual de Combate ao Incêndio.

Através de um vídeo, foram apresentados os diferentes serviços prestados pelo Corpo de Bombeiros além do combate a incêndios; o resgate de vítimas, prestar primeiros socorros, realização de vistorias técnicas. O vídeo apresentou também depoimentos emocionantes de integrantes da corporação sobre histórias de vida, salvamentos realizados, e programas sociais desenvolvidos pela corporação, a exemplo do “Bombeiro Amigo do Peito”, Melhor Idade, entre outros.

Ao final da audiência o vereador Ozeas Menezes, durante as considerações finais complementou: “É com imenso prazer que estou encerrando essa audiência pública que houve dinamismo, várias dúvidas foram sanadas, que ficou e vai ficar na história porque é um ícone na nossa cidade…um tema de grande importância, e houve a participação do público a todo momento”. O vereador ressaltou a necessidade de colocar em prática as teorias aprendidas no encontro, em departamentos públicos e particulares para garantir a segurança da população de Alagoinhas.

 

Ascom – Câmara Municipal de Alagoinhas