Exército aciona tropas da Bahia e Sergipe para liberar estradas


Decreto autoriza ação até 4 de junho

As unidades militares do Exército na Bahia e em Sergipe foram acionadas neste sábado (26) para cumprir o decreto presidencial de liberar as estradas que estão intertidadas pelos caminhoneiros que estão em protesto há seis dias.

De acordo com comunicado do Exército Brasileiro enviado ao CORREIO, as ‘unidades militares do Exército nos estados de Bahia e sergipe foram acionadas’. Contudo, as tropas que estão em cidades como como por exemplo Salvador, Feira de Santana e Barreiras, ainda não foram para as ruas.

O Exército informou que está em momento de planejamento para cumprir a medida de acordo com a demanda existente de desbloqueio.

O Ministério da Defesa informou, em nota, que militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica farão ‘parte do esforço do governo federal em retomar a normalidade no País, após paralisações de caminhoneiros realizadas ao longo desta semana, que causaram desabastecimentos em algumas regiões’.

Foto: Divulgação/Internet

Amparada por um decreto de garantia da lei e da ordem, a ação vai durar até o dia 4 de junho, e terá como foco a desobstrução de vias públicas federais, em apoio às forças de segurança.

O decreto também prevê o emprego das Forças Armadas em vias públicas estaduais, distritais e municipais, mediante requerimento do chefe do poder executivo estadual ou distrital, acompanhado de elementos que demonstrem a insuficiência de meios da polícia militar do ente federativo.

A medida prevê que as Forças Armadas poderão remover ou conduzir veículos que estiverem obstruindo vias públicas, e também farão, em caso de necessidade, escolta de veículos que prestem serviços essenciais, como o transporte de alimentos, medicamentos ou combustíveis, além de assegurar o acesso a locais considerados sensíveis, e a proteção de estruturas críticas, como estações de abastecimento de água e luz.

O ministro da Defesa, Joaquim Silva e Luna, explicou que a inclusão das Forças Armadas nesse esforço do governo tem como principal objetivo assegurar que a população brasileira não sofra com efeitos de desabastecimentos.

“As Forças Armadas foram convocadas para serem empregadas nessa missão de garantir o abastecimento da população. O que vai ser garantido são as necessidades críticas, como nas áreas de abastecimento de combustível, saúde e alimentação”, disse.

De acordo com o ministro, por contarem com organizações militares espalhadas por todo o território nacional, as Forças Armadas tem plenas condições de prestarem esse tipo de apoio. “A vantagem é que as Forças Armadas possuem estruturas em todo o País, costuma-se dizer que onde tem Brasil, tem Forças Armadas, então, podemos atender situações em qualquer localidade do País”, explicou o ministro.

Conforme o decreto de GLO, o ministro da Defesa definirá a alocação dos meios disponíveis e o comando que será responsável pela operação.

Procurada a Marinha informou que ainda não tem informações sobre a atuação na Bahia. A Aeronáutica não foi localizada.

Correio da Bahia

Casal brasileiro é preso em Miami, acusado de lavar dinheiro de ‘coiotes’


Investigações apontam que, por meio de quatro empresas, Eduardo Pereira e Marcia Tiago lavavam dinheiro de uma quadrilha especializada em levar pessoas ilegalmente para os EUA
Um casal de brasileiros foi preso em Miami, no estado norte-americano da Flórida, acusado de integrar um “sofisticado” esquema para lavar dinheiro de coiotes — como são conhecidas os agenciadores que levam pessoas ilegalmente para os Estados Unidos.

 
Eduardo Pereira, 49 anos, e Marcia Tiago, 48, estão presos desde o último dia 23. De acordo com a rede de TV NBC, uma juíza determinou que eles podem cumprir prisão domiciliar, desde que paguem uma fiança de US$ 300 mil (cerca de R$ 950 mil), cada. O casal também precisaria provar que esse dinheiro não tem origem ilegal.
As investigações apontam que, por meio de quatro empresas, Eduardo e Marcia lavavam dinheiro de uma quadrilha especializada em levar pessoas ilegalmente para os EUA. Tal quadrilha seria chefiada por Vantuir de Souza, que estaria cumprindo prisão domiciliar no Brasil, acusado de contrabando humano.
O grupo chegava a cobrar US$ 25 mil (quase R$ 80 mil) para levar um imigrante ilegal ao território norte-americano. A travessia era feita em duas etapas. Primeiro, os interessados eram levados do Brasil ao Caribe, onde não há cobrança de visto de entrada. Em seguida, eram transportados de barco até o sul da Flórida, de onde seguiam de carro para estados como Nova Jersey e Pensilvânia. O dinheiro, aliás, só era entregue — por familiares ou amigos dos clientes — depois que eles chegavam ao destino.
O negócio era lucrativo e, conforme as invetigações, desde 2015, o grupo teria faturado — e o casal lavado — mais de US$ 8 milhões (equivalente a mais de R$ 25 milhões).
Procurado pela reportagem, o Ministério das Relações Exteriores não informou se está ciente ou se acompanha o caso.

Correio Braziliense

Ministro do STF mantém suspensão de indulto assinado por Temer


O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, manteve suspensos trechos do decreto editado em dezembro pelo presidente Michel Temer que abrandavam as regras para concessão do indulto de Natal.

Os benefícios, de acordo com o G1, foram suspensos no final do ano passado, durante o recesso do Judiciário, pela presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia. Ela acolheu, em decisão liminar (provisória), questionamentos da procuradora-geral da República, Raquel Dodge.

O indulto havia reduzido o tempo de cumprimento das penas a condenados por crimes cometidos sem violência ou grave ameaça.

 

Metro1/Foto: STF

Após afirmar que não seria candidato, Huck comemora resultado de pesquisa Datafolha


Aliados de Luciano Huck já preparam sua pré-campanha à Presidência. Esperam apenas a confirmação do apresentador de TV para definir os rumos a seguir.

Segundo a Folha apurou, Huck comemorou, de Paris, o bom posicionamento na pesquisa Datafolha publicada nesta quarta (31).

Ele tem 8%, empatado com o governador Geraldo Alckmin (PSDB-SP) no pelotão de segundo lugar na disputa em cenário sem Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Huck diz não ser candidato. Seus aliados só viam chance de ele voltar atrás na decisão se Lula estivesse inelegível, já que pesquisas mostram que o apresentador apela ao perfil associado ao do eleitor do petista -no Datafolha ele herdou 8% desse grupo, mas há ainda um terço dele sem candidato.

Isso foi virtualmente garantido pela condenação do petista em segunda instância por corrupção.

Após o Carnaval, receberá uma grande pesquisa nacional, qualitativa e quantitativa, buscando esmiuçar o perfil do eleitorado que está disposto a votar num “outsider” em outubro e também estabelecer seus pontos fracos.

A expectativa de seus aliados é de que ele ao menos sinalize sua intenção internamente, apesar de sua intenção inicial de deixar tudo para abril -quando acaba o prazo legal para o apresentador se filiar a algum partido a tempo de concorrer.

Alguns dos seus apoiadores, notadamente dentro do movimento Agora!, gostariam de ver a situação resolvida logo para poderem associar-se a uma sigla visando a eleição ao Congresso.

Hoje o porto de destino mais provável é o PPS, que tem conversas adiantadas tanto com Huck, que faz parte do Agora!, quanto com integrantes do próprio grupo de fomento à conscientização política na sociedade.

Desde o fim do ano, mantém contato com o marqueteiro Guillaume Liegey, a quem já recebeu em casa.

O francês foi responsável pela estratégia de multiplicação de contatos eleitorais vista como uma das chaves do sucesso da campanha de Emmanuel Macron à Presidência em 2017.

Liegey está no Brasil para conversas com diversos partidos e estabeleceu uma parceria de trabalho no país.

Desde o ano passado, incentivado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e por economistas de relevo como Armínio Fraga, Huck tem se movido como um presidenciável.

Montou uma rede de conselheiros que o municia de análises e também de pesquisas de opinião. Integra um grupo de WhatsApp para discutir esses temas.

Conversou com pessoas do mercado financeiro e políticos, tendo sido abordado pelo Partido Novo, pela Rede e pelo PPS -que está com o passe preferencial por não ser uma agremiação associada a escândalos políticos.

Em novembro, em artigo Folha, descartou a candidatura. Mas protagonizou uma inflexão neste ano.

Gravou participação no “Domingão do Faustão” veiculada no começo de janeiro para falar longamente sobre política ao lado da mulher, a também apresentadora da Globo Angélica.

Todo o discurso que adotou replicou demandas ouvidas nas pesquisas qualitativas que estudou em 2017: a negação de um “salvador da pátria”, a necessidade de “conhecer o povo” etc. Apresentou-se pela primeira vez a seu público em modo presidenciável.

Nesta semana, ele desautorizou em rede social um vídeo que o apresentava como candidato e falava mal de Lula e Jair Bolsonaro, o presidenciável de direita que é visto como rival de Huck para herdar votos não ideológicos órfãos do petista.

Apesar de apócrifa, notou um estrategista de Alckmin, a peça teve grande circulação pelo WhatsApp e pode ter cumprido um papel de divulgação não desprezível.

Os óbices à candidatura não são poucos, a começar pela oposição em casa. Mas o grande obstáculo é o sistema eleitoral, que privilegia grandes estruturas estaduais e tempo de TV farto.

Aos marqueteiros que passaram anos estudando como ultrapassar isso usando as redes sociais, a mudança de critérios de visualização de publicações no Facebook caiu como um raio.

Numa sigla pequena como o PPS, precisaria contar com um desempenho formidável em pesquisas para atrair atores que teoricamente estarão com Alckmin, como o DEM e o PSD -talvez até o MDB.

Se isso ocorrer, contudo, Huck poderia romper a irônica barreira de ser um homem de TV sem tempo nela.

Bocão News

Três apostas vencedoras da Mega da Virada foram feitas em lotérica de Parelheiros, extremo Sul de SP


(Foto: Reprodução/GoogleMaps)
Cada sortudo levará R$ 18.042.279,04. Capital paulista ainda levou outro prêmio, que saiu de lotérica em Sapopemba, na Zona Leste.

Três apostas premiadas na Mega da Virada saíram da mesma lotérica: a Loteria Parelheiros, localizada no extremo da Zona Sul de São Paulo, informou a Caixa Econômica Federal. Cada sortudo levará R$ 18.042.279,04.

Emerson Corrêa, um dos donos da casa de apostas em Parelheiros, disse que nunca a lotérica tinha ganhado uma Mega Sena. “Jamais ganhamos um prêmio grande e logo de uma vez saem três prêmios. Começamos o ano bem, vai dar sorte”, disse.

Corrêa disse que nenhum dos sortudos foi conferir o jogo e não sabe quem são os campeões. “Muita gente fez bolão aqui, podem ser vários vencedores”, afirmou. O dono da lotérica promete comemorar e já encomendou uma faixa para ser colocada na fachada da casa sortuda.

A capital paulista ainda levou outro prêmio, que saiu da lotérica Vida Nova, em Sapopemba, Zona Leste de São Paulo.

Na Grande São Paulo, Guarulhos teve duas apostas vencedoras, uma na Yada Loterias, no Jardim Aliança, e outra na lotérica A Sorte é Aqui, na Vila Carmela.

Os números da Mega da Virada foram sorteados na noite deste domingo (31), em São Paulo. O valor do prêmio é de R$ 306.718.743,71, o maior da história das loterias do Brasil.

As dezenas sorteadas foram: 03 – 06 – 10 – 17 – 34 – 37.

De acordo com a Caixa Econômica Federal, 17 apostas dividirão o prêmio. Assim, cada aposta ganhadora levará R$ 18.042.279,04.

Os ganhadores estão nos estados de São Paulo (6 apostas: quatro na capital e duas em Guarulhos); Bahia (3 apostas: Prado, Uruçuca e Cruz das Almas); Paraná (2 apostas: São João do Triunfo e Rio Azul); Minas Gerais (2 apostas: Carmo do Cajuru e Contagem); Rio de Janeiro (2 apostas: Rio de Janeiro e Seropédica); Pará (uma aposta em Belém); e Santa Catarina (uma aposta em Brusque).

G1