Gravações mostram Marcello Siciliano prometendo blitz da PM para miliciano


Ligações gravadas pela polícia revelam homem pedindo para vereador do PHS acionar batalhão. Siciliano diz ser ‘contra qualquer tipo de poder paralelo’.

Quase dois meses depois, um homem que diz saber quem matou e quem mandou matar Marielle. O delator é policial militar do Rio de Janeiro e é também miliciano. Ele procurou a polícia alegando ter sido ameaçado pelos supostos assassinos.

A testemunha apresenta a seguinte versão. No carro cor prata que abordou o carro da vereadora, dirigido por Anderson, estavam quatro homens: um policial militar da ativa; um ex-PM, miliciano da zona oeste; e outros dois milicianos.

Segundo a testemunha, os homens cumpriam ordens. Seriam dois os mandantes do crime. Um deles, um vereador do Rio, Marcello Siciliano, do PHS (Partido Humanista da Solidariedade).

Siciliano foi eleito com 13.553 votos, a maioria na zona oeste da cidade, não responde a nenhum processo criminal e negou que tenha qualquer relação com a milícia.

Marcello Siciliano, vereador (PHS): – Eu sou totalmente contra qualquer tipo de poder paralelo, totalmente contra.

Mas em telefonemas, gravados pela polícia, Siciliano conversa com milicianos.

Siciliano: – Fala, irmão.
[miliciano]: – Fala, irmão!!!

Em outra ligação, um homem pede ao vereador que acione o 31º Batalhão da PM.

[miliciano]: – Uns bandido (sic) lá mataram um amigo nosso. Você podia dar um toque no pessoal do 31 pra ficar de olho. Se botar uma blitz ali, vai pegar.
Siciliano: – Vou mandar botar agora. Na volta eu passo aí. Beijo.
[miliciano]: – Tá bom. Beijo, fica com Deus.
Siciliano: – Te amo, irmão.

Nesta conversa, segundo as investigações, o vereador pede ajuda para inaugurar um projeto social numa área de milícia.

Siciliano: – O garoto ia começar a fazer o projeto lá hoje, aí o rapaz falou: “Não, não vai fazer nada não”.
[miliciano]: – Não, pode ir.
Siciliano: – Eu posso ir atrás lá da pessoa pra resolver no teu nome?
[miliciano]: – Pode, vou te mandar o telefone aqui.

Em nota, Marcelo Siciliano reafirmou que nunca teve envolvimento com milícias. Disse também que já foi investigado, mas não chegou a ser indiciado e se botou à disposição da polícia para quaisquer novos esclarecimentos.

O outro citado pela testemunha é Orlando Oliveira de Araújo, conhecido como Orlando Curicica, nome de um bairro da zona oeste. Ex-PM, ele é chefe de uma milícia e foi preso em outubro do ano passado, acusado de mandar matar um homem que montou um circo sem pedir autorização em uma área dominada por ele.

Em uma ação parecida com a do assassinato de Marielle e Anderson, dois bandidos dispararam 12 vezes na direção do homem. Uma mulher que acompanhava a vítima sobreviveu e hoje vive escondida. O grupo de Orlando, assim como outros milicianos, é investigado também por grilagem, que é a posse ilegal de terrenos.

A zona oeste é o berço dos milicianos cariocas, grupos que usam de violência para ameaçar a população e cobrar por serviços irregulares, como transporte, entrega de gás e TV paga. Também tomam moradias e terrenos à força.

Daniel Braz, coordenador da Gaeco: – Já tivemos casos comprovados em que eles invadiram, tiraram os moradores e expulsaram e depois usaram o imóvel para venda para terceiros.

Na quarta-feira, por carta, Orlando Curicica negou envolvimento nas mortes de Marielle e Anderson e acusou o delegado de Homicídios de tentar convencê-lo a confessar envolvimento no crime.

Renato Darlan, advogado de Orlando Curicica: – Ele foi visitado pelo delegado titular da DH, dr. Giniton, que o fez uma proposta que eu considero uma ameaça dizendo a ele o seguinte: ou você assume esse crime ou eu vou embuchar mais dois homicídios na sua conta e vou lhe transferir para Mossoró. Se você assumir eu consigo pra você um perdão judicial.

Segundo a assessoria de imprensa da Polícia Civil, o delegado Giniton Lages foi ao presídio tomar o depoimento de Orlando sobre o assassinato de Marielle, mas ele não quis falar.

Pela versão da testemunha que acusa Orlando e o vereador Siciliano, os dois queriam a morte de Marielle porque ela era uma ameaça aos interesses deles na zona oeste

Marcelo Freixo, presidente da CPI das Milícias: – São áreas onde a gente sabe que existem disputas territoriais, disputas entre interesses de grilagem. A Marielle não tinha uma disputa eleitoral nas áreas de milícia, mas a Marielle tinha uma ação social de atendimento a essas vítimas também da milícia.

Fantástico apurou que a testemunha forneceu para a polícia o número de um celular que teria sido usado pelos assassinos. O número bate com um dos que a polícia vem investigando.

O ministro da Segurança Pública declarou que todos os citados pela testemunha já são considerados investigados, mas lembra que é preciso comprovar o que o foi dito no depoimento.

Raul Jungman, ministro da Segurança Pública: – É preciso supor se esses dados batem com os dados de que dispõe a investigação. Se não, de fato perde a consistência com que foram dadas essas declarações.

Freixo: – É possível que seja a milícia? É, mas é importante que tenha produção de provas. A gente não quer vingança, a gente quer Justiça.

Globo.com

Governador de SP anuncia fim de buscas no prédio que desabou


Ao todo, quatro vítimas não foram localizadas

O governador de São Paulo, Márcio França, anunciou o fim das buscas dos bombeiros no local do desabamento do prédio Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paissandu, em São Paulo.

As buscas foram encerradas após 13 dias de trabalho. “A gente não tem a expectativa de mais nada, o máximo que a gente pode fazer do ponto de vista de profundidade é essa. O resto [dos corpos] não deve ter mais existência, deve ter sumido junto com toda a situação, porque é muito calor e o corpo desaparece praticamente, é comum nesse tipo de tragédia”, afirmou em entrevista ao portal de notícias G1.

Ao todo, quatro vítimas não foram localizadas. Eva Barbosa, de 42 anos, Selma Almeida da Silva, 40 anos; Walmir Sousa, 47 e Gentil de Souza, 53 anos.

Foto: Reprodução

Varela Notícias

 

PM que matou ladrão na porta da escola em Suzano é homenageada: ‘Pensei apenas em defender as mães, as crianças’


Policial tinha ido participar de comemoração do Dia das Mães na escola onde a filha estuda. Governador participou de homenagem.

A cabo da PM Kátia da Silva Sastre, de 42 anos, foi homenageada na manhã deste domingo (13) pela corporação após reagir a uma tentativa de assalto, atirar e matar um ladrão em frente à escola da filha em Suzano, na Grande São Paulo.

A cerimônia ocorreu em um batalhão da PM na Vila Esperança, na Zona Leste de São Paulo, região em que a policial trabalha. O governador Marcio França (PSB) participou da cerimônia e entregou flores para a cabo.

“Essas pessoas [criminosos] se descontrolam facilmente. Eu não sabia se a reação dele seria atirar nas crianças ou na mãe ou no responsável que estava na porta da escola. Pensei apenas em defender as mães, as crianças e a minha própria vida e da minha própria filha”, disse a policial militar que está há 20 anos na corporação. Ela estava de folga e tinha ido participar da festa do Dia das Mães na escola da filha mais velha.

Ela disse que o criminoso atirou duas vezes. No primeiro tiro, a munição falhou e o outro foi tiro chegou a ser disparo.

“Minha preocupação foi que minha intervenção fosse mais próxima a ele. Cessar a agressão dele de forma que não machucasse ninguém”, afirmou a cabo que disse ter agido com base nos treinamentos que recebeu na corporação.

Mãe de duas meninas, de 7 e 2 anos, Kátia é casada com um tenente da PM. Ela conta que não vê as crianças desde o ocorrido. “Não estou com elas agora, mas está sendo gratificante por defender vidas”, disse.

“É preciso lembrar que ela é um exemplo que um policial deve fazer. Por ela, pela sociedade, pela própria filha dela”, disse o governador.

Para o secretário da Segurança Pública, Mágino Alves, ela agiu corretamente.

“Ela afastou as crianças, se aproximou do ladrão. Ela faz o disparo, o rapaz atira, o rapaz tenta pegar a perna dela, imobiliza o rapaz e liga para o 190. Foi um procedimento perfeito do ponto de vista técnico”, disse.

Caso

A ocorrência foi em frente ao Colégio Ferreira Master, uma escola particular que fica no bairro Cidade Cruzeiro do Sul, em Suzano, neste sábado (12).

Um vídeo que circula pelas redes sociais mostra o momento em que o suspeito se aproxima de um grupo de mulheres e crianças e aponta o revólver para uma pessoa. Neste momento, ao lado dele, está a policial, que saca uma arma e dispara contra o suspeito. As pessoas que estavam em frente à escola correm. O suspeito cai no chão e a policial se afasta. Ela se aproxima novamente do suspeito, afasta a arma que ele usava e o rende.

Homem que sacou arma em frente a escola foi baleado por mãe que é PM e estava de folga, em Suzano (Foto: Alexandre Mauro/G1)

De acordo com a Polícia Militar, o suspeito, de 21 anos, estava com um revólver calibre 38 e já tinha abordado outras mães que aguardavam a abertura do portão, além de ter revistado o segurança da escola para ver se ele estava armado.

Ainda de acordo com a PM, a policial viu a movimentação e ouviu uma mulher dizendo que era assalto. Neste momento, a policial foi se afastando, sacou a arma e disparou três vezes contra o suspeito.

O suspeito foi socorrido para a Santa Casa de Suzano, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

G1 Notícias

No dia do seu aniversário, Vitória derrota o Vasco e tem primeiro triunfo no Brasileirão


O Vitória, que comemora 119 anos neste domingo (13), derrotou o Vasco por três a dois na partida no estádio de São Januário, no Rio de Janeiro, e com isso conquistou o primeiro triunfo no Brasileirão.

Aos 17 minutos do primeiro tempo, o atacante André Lima abriu a partida com um gol do Vitória.  O gol do empate foi feito aos 39 minutos do primeiro tempo, pelo lateral direito do Vasco, Yago Pikachu, que cobrou a penalidade no canto esquerdo de Caíque.

No segundo tempo, aos 25 minutos, foi a vez do atacante Lucas Fernandes receber o passe de Wallyson, carregar a bola e balançar a rede com o segundo gol do Leão. Aos 30 minutos, o zagueiro direito Werley fez um gol contra para o Vitória.  O último e segundo gol do Vasco ficou por conta do atacante Andrés Ríos, aos 37 minutos do segundo tempo.

Com o triunfo pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro, o Leão chegou aos quatro pontos ganhos, mas continua na zona de rebaixamento, na 17ª posição. O clube volta a jogar pelo Brasileirão no próximo domingo (20), contra o Ceará. A partida acontece às 11h, no Barradão.

Foto: Vasco.com.br

Varela Noticias

SMTT faz homenagem ao Dia das Mães durante ação no trânsito neste domingo (13)


Durante as intervenções educativas de trânsito para a campanha Maio Amarelo, a Superintendência de Trânsito e Transporte (SMTT) distribuiu rosas amarelas em homenagem ao Dia das Mães, celebrado neste domingo (13).

A cor amarela faz referência à campanha que chama atenção das pessoas para a vida no trânsito e a importância da consciência da participação de cada um para que o tráfego de pessoas e veículos seja seguro e harmonioso. Os agentes de trânsito distribuíram afeto e rosas numa ação realizada em frente à maternidade e na faixa de pedestres da Praça Graciliano de Freitas.

Secom/PMA

 

Bahia empata com o São Paulo na Arena Fonte Nova


O Bahia perdeu a chance de chegar ainda mais perto do G-4 da Série A. Até os últimos minutos, o Tricolor vencia o São Paulo, mas cedeu o empate no fim e ficou no 2 a 2 com o adversário, na Arena Fonte Nova.

O artilheiro Edigar Junio marcou os dois gols do time baiano. Tréllez e Shaylon deixaram tudo igual.

Com o empate, o Esquadrão foi aos cinco pontos ganhos e caiu para a 16ª colocação, a uma posição e um ponto da zona de rebaixamento.

O JOGO

Logo aos nove minutos de jogo, o Bahia recebeu um pênalti. Hudson derrubou Zé Rafael na área e o árbitro marcou a infração. Na cobrança, Edgar Junio acertou o canto para abrir o placar.

Aos 16, o Tricolor quase aumentou. Após cruzamento na área, Zé Rafael pegou de primeira e acertou a trave.

Aos 19, o Tricolor paulista respondeu. Nenê driblou Douglas na área, mas se atrapalhou na hora de completar para o gol.

Porém, aos 30 minutos o Esquadrão chegou ao empate. Nenê recebeu bola de Hudson e deixou Tréllez livre para mandar nas redes.

Mas, oito minutos depois, o Bahia voltou à frente do placar. Elton levantou bola na área, Élber desviou de cabeça e Edigar Junio completou de primeira para fazer o segundo.
Mas, no fim do jogo, o Bahia cedeu o empate. Aos 47 minutos, Shaylon arriscou chute de longe e marcou um o gol para deixar tudo igual.

Bahia 2 x 2 São Paulo
Brasileirão Série A – 5ª rodada

Local: Arena Fonte Nova, em Salvador (BA)
Data/Horário: 13/04/2018, às 16h
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (FIFA-PA). Assistentes: Helcio Araújo Neves e Heronildo Freitas da Silva
Cartões amarelos: Everson, Élber, Lucas Fonseca, Gregore, Elton (BAH); Arboleda, Everton (SPFC)
Gols: Edigar Junio-2 (BAH); Tréllez, Shaylon (SPFC)

Bahia
Douglas; João Pedro, Lucas Fonseca, Everson e Léo; Gregore, Elton, Vinicius (Régis), Zé Rafael e Élber (Mena); Edigar Junio (Kayke). Técnico: Guto Ferreira.

São Paulo
Sidão; Éder Militão (Régis), Arboleda, Bruno Alves e Reinaldo; Jucilei, Hudson e Lucas Fernandes (Valdívia); Nenê (Shaylon), Everton e Tréllez.  Técnico: Diego Aguirre.

Foto: Felipe Oliveira / EC Bahia