Gabinete de Lúcio Vieira Lima é alvo de buscas da Polícia Federal.


A Polícia Federal faz buscas na Câmara nesta segunda-feira, 16. O alvo é o gabinete do deputado Lucio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão do ex-ministro Geddel Vieira Lima.

A ação ocorre por ordem do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). O pedido é da Procuradoria-Geral da República, que investiga a ligação do parlamentar com os R$ 51 milhões – R$ 42.643.500,00 e US$ 2.688.000,00 – encontrados, no início de setembro, em um apartamento em Salvador na Operação Tesouro Perdido, desdobramento da Cui Bono?.

O secretário parlamentar de Lucio também é alvo da operação da PF.

Geddel está preso na Papuda. Em 13 de setembro, o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10.ª Vara Federal de Brasília, decidiu remeter ao Supremo a investigação sobre o ‘tesouro perdido’ de R$ 51 mi, atribuído ao ex-ministro. O magistrado alegou em sua decisão que ‘há sinais de provas que podem levar ao indiciamento’ do deputado Lúcio Vieira Lima.

Conforme a Constituição, congressistas têm foro por prerrogativa de função e só podem ser alvo de inquéritos criminais que tramitem na Corte.

No depoimento prestado à PF, o dono do apartamento situado em Salvador onde foram encontrados os R$ 51 milhões, Silvio Antônio Cabral da Silveira, disse que foi Lúcio quem pediu o imóvel emprestado e que o fez em nome da amizade com o parlamentar, embora não conhecesse Geddel.

Além disso, no local, foi encontrada uma fatura em nome de Marinalva Teixeira de Jesus, apontada como empregada doméstica do congressista.

Madre de Deus:  Mulher que ateou fogo no marido segue em liberdade.


Esteve presente na redação do Aragão Notícias a senhora Jandira Reis Cavalcanti, mãe de Reinaldo Reis Cavalcanti  de 33 anos, o qual morreu em decorrência de queimaduras no corpo, provocadas por sua esposa MARIA HELENA LESSA SANTOS CAVALCANTI, conhecida como LELA.

O caso:

No dia 16 de abril deste ano, Reinaldo estava sentado no vaso sanitário, quando foi surpreendido por LELA, que jogou álcool e ateou fogo.  A vitima foi socorrido por parentes, e foi encaminhado ao HGE em Salvador, onde veio a óbito dia 26 do mesmo mês.

Desde então LELA saiu da cidade levando os filhos, ( uma de 9 e o outro de 4 anos).  Segundo informações da época, ela esteve um tempo em Camaçari e depois em São Francisco do Conde, e agora esta de retorno a Madre de Deus, onde é vista pela cidade andando LIVREMENTE  COMO SE NADA TIVESSE ACONTECIDO.

A família de Reinado já promoveu caminhadas, esteve no Ministério Publico várias vezes, na vara da infância e juventude, no fórum no bairro de Sussuarana em Salavador, onde a comarca de Madre Deus pertence, mas não obtiveram êxito no andamento do processo.

 

Dona Jandira nos informou ainda que a cerca de seis meses, desde o fato ocorrido, que não vê os netos, e vive numa profunda angustia de ver o caso caindo no esquecimento.

Através da imprensa ela tenta sensibilizar as autoridades, para que a autora deste homicídio vai a JURI POPULAR, pois só desta forma poderemos ter Justiça.

O promotor que esta no caso chama-se Davi Galo, e a juíza Dra Andréia da 2ª Vara do Tribunal do Juri.

Cerveja pode ser mais eficaz que paracetamol no alívio da dor.


“Beber para curar os males” pode finalmente ter sua explicação científica. De acordo com estudo publicado recentemente no periódico científico Journal of Pain, beber dois pints de cerveja (um pint equivale a um copo de pouco mais de meio litro), é mais eficaz no alívio de dores do que tomar analgésicos, como o paracetamol.

Depois de analisarem dezoito estudos, pesquisadores da Universidade de Greenwich, no Reino Unido, descobriram que duas canecas de cerveja podem diminuir as dores em 25%. Ao elevar o nível de álcool no sangue, em aproximadamente 0,08%, o corpo reduz o limiar de intensidade da dor.

Lucio Vieira Lima pede ‘ajuda’ a empresários para defesa de Geddel.


Irmão de Geddel Vieira Lima, o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB) tem procurado empresário para pedir ajuda financeira para defesa do irmão. A informação é da coluna Radar On Line, da Veja. Segundo a publicação, a Procuradoria-Geral da República (PGR) está de olho nos pedido.

Quem se negou a contribuir, diz a matéria, teme aparecer em uma provável delação de Geddel, aliado do presidente Michel Temer (PMDB).

Para OAB, é inadmissível que Senado use voto secreto no caso Aécio.


A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) reputou como “inadmissível” a hipótese de o Senado adotar a votação secreta para resolver sobre o afastamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG), determinado pela Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) em 26 de setembro.”Mais que nunca, a sociedade brasileira exige transparência e honestidade na aplicação da justiça. Voto aberto, portanto”, clamou o presidente nacional da OAB, Cláudio Lamachia.Segundo Lamachia, o Brasil passa por uma crise de ordem moral que submete a classe política brasileira ao maior desgaste de sua história. “O resgate de sua credibilidade, essencial à preservação da democracia, exige por parte dela rigoroso senso de cumprimento do dever cívico, dentro das regras da ordem jurídica e constitucional”, opinou.O STF decidiu na quarta-feira, 11, que o Senado deve dar a palavra final sobre o cumprimento de decisão de afastamento entre outras medidas cautelares que afetem direta ou indiretamente o exercício de mandato parlamentar.”Ao decidir que a suspensão de medidas cautelares a um parlamentar é prerrogativa do Legislativo, o Supremo Tribunal Federal colocou nas mãos do Senado uma responsabilidade que não admite subterfúgios, destacou o presidente da OAB. “A expectativa da OAB e da sociedade é de que os senadores honrem o seu mandato e sejam transparentes em suas decisões.”