Com prisão dos filhos, fundador da JBS vai assumir presidência do grupo


 

Com os filhos Wesley e Joesley Batista presos, o fundador do grupo JBS, José Batista Sobrinho, de 84 anos, vai voltar à presidência da companhia. O nome foi aprovado por unanimidade em reunião do conselho de administração na noite de sábado. O argumento da família para esse movimento é que Batista Sobrinho, conhecido como Zé Mineiro, dará “estabilidade” à empresa, cumprindo o mandato de Wesley, que se encerra em 2019, no comando da JBS. Os Batista estavam decididos a indicar para o

cargo Wesley Filho, filho de Wesley. Com isso, entrariam em rota de colisão com o BNDES, dono de 21,3% das ações do grupo, que queria Gilberto Tomazoni, presidente de marcas globais da JBS, como presidente interino. O nome do fundador surgiu, então, como uma terceira via, por sugestão da J&F, holding controladora da JBS. Para a família, seria difícil levantar argumentos contra Zé Mineiro, por se tratar de um “símbolo” no grupo e não haver acusações contra ele. A conselheira Cláudia Santos, hoje a única representante do BNDES no conselho – a outra cadeira está vaga – transmitiu a ideia ao banco, que aceitou, por ordem do seu presidente, Paulo Rabello de Castro. Por ser jovem, Wesley Filho, de 26 anos, seria alvo de críticas, avaliou a família. José Batista Júnior, o Júnior Friboi, irmão mais velho de Joesley e Wesley, teria dificuldades em assumir o cargo por ter seus próprios negócios. Além disso, a recomendação, na semana passada, de órgão do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) de que Júnior seja condenado por cartel para fixação do preço da carne, em um processo de mais de dez anos, o inviabilizava, segundo uma fonte. Wesley Filho voltará dos EUA, onde comandava a divisão de carnes da JBS USA, para ocupar o cargo de diretor estatutário da JBS. A ideia é que ele, Tomazoni e André Nogueira (presidente da JBS nos EUA) formem um grupo de “liderança de executivos” e assessorem José Batista Sobrinho. Diante da postura beligerante do presidente do BNDES na última semana, o fato de a representante do banco ter acatado o nome de Zé Mineiro foi recebido com surpresa. A eleição traz alívio ao clã Batista, pois pacifica os ânimos num momento delicado para a empresa. A avaliação é que o BNDES perdeu armas na tentativa de afastar a família do comando. Apesar disso, o processo de arbitragem, atualmente em curso, será mantido. O BNDES quer impedir que representantes da família no conselho votem em processos para responsabilizar Wesley e Joesley Batista por prejuízos causados à JBS. Wesley está preso desde quarta-feira, acusado de uso de informação privilegiada para lucrar indevidamente no mercado de ações e de câmbio. Joesley, presidente da J&F, está preso desde o dia 10, acusado de omitir informações em seu acordo de delação premiada. Ao contrário da JBS, no comando do conglomerado, a sucessão não deve se dar dentro da família. A ideia é que executivos da J&F passem a ocupar a diretoria. Em nota, a companhia informou que o conselho buscará um diretor para a área financeira. “A escolha de um novo CFO (diretor financeiro) é um passo importante para fortalecer a governança”, afirmou Tarek Farahat, presidente do conselho.

 

FONTE : ESTADAO

Policiais militares fazem operação na Rocinha depois de confrontos


Equipes da Polícia Militar (PM) fazem hoje (18) uma operação na comunidade da Rocinha, na zona sul do Rio de Janeiro, para prender suspeitos de envolvimento nos tiroteios de ontem na favela. Grupos rivais se envolveram nesse domingo em um confronto armado pelo controle dos pontos de venda da comunidade. Nos confrontos, pelo menos uma pessoa morreu e três ficaram feridas com disparos de arma de fogo. Na ação de hoje, um homem foi ferido, segundo a PM, em confronto com agentes. Ele foi encaminhado para o Hospital Miguel Couto sob custódia. A operação desta segunda-feira começou às 4h30 com a ocupação da comunidade por homens do Comando de Operações Especiais da PM. Policiais da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha e do batalhão local (23º BPM) fazem o cerco à comunidade. Depois que os policiais tiverem consolidado a ocupação, agentes da Polícia Civil entrarão na comunidade para cumprir mandados de prisão.

 

FONTE : AGENCIA BRASIL

5% do eleitorado quer Wagner para substituir Lula em 2018


O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), lidera com 15,7%, seguido do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, com 10,7%

Pesquisa realizada pelo Instituto Paraná nesta segunda-feira, 18, aponta que o ex-governador da Bahia Jaques Wagner (PT) é opção de 5% do eleitorado para substituir o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em 2018.

O ex-governador do Ceará, Ciro Gomes (PDT), lidera com 15,7%, seguido do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, com 10,7%. Apesar das preferências, a maior parte dos entrevistados, 62,8%, descarta as três opções apresentadas. Pouco menos de 6% não sabe ou não opinou.

Ciro continua à frente no Norte e Centro-Oeste, Nordeste e Sul, quando os resultados são analisados por região e perde no Sudeste para Haddad. Wagner ganha um pouco mais de expressão apenas no Nordeste, assumindo a segunda colocação com 14,5% das intenções de voto. Foram entrevistadas 2.210 pessoas no questionário online do Instituto Paraná Pesquisas, entre 12 e 14 de setembro deste ano. A amostra tem confiança de 95% e margem de erro de aproximadamente 2%.

Afronta II da PF descobre fraudes em 14 concursos públicos


 

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira, 18, a Operação Afronta II com o objetivo de alcançar membros de uma organização criminosa que fraudava concursos públicos em todo o país, com o uso de pontos eletrônicos. A PF cumpre dois mandados de prisão temporária, 4 de condução coercitiva e 10 de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal em São Paulo, nas cidades de Campinas (SP) e Maceió. Outros candidatos foram intimados para depor e prestar esclarecimentos.

Os candidatos serão indiciados pelo crime previsto no artigo 311-A, inciso I, do Código Penal – fraudes em certames de interesse público -, cuja pena varia de 1 ano a 4 anos de reclusão e pelo crime previsto no artigo 288 do Código Penal – associação criminosa -, com pena de 1 ano a 3 anos de reclusão.

 

FONTE : ESTADAO

Meirelles: Raquel vai atuar dentro da serenidade e rigor com que sempre se pautou


 

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse na manhã desta segunda-feira, 18, acreditar que a nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge, “vai atuar dentro da serenidade e rigor com que ela sempre se pautou”. Meirelles, assim como fez o presidente Michel Temer em seu discurso na cerimônia de posse da procuradora, disse que o País vive um momento histórico também pelo fato de Raquel ser a primeira mulher a assumir a PGR. “Ela fez um discurso institucional muito importante, definindo regras básicas no estado de direito, do papel da PGR”, afirmou.

O ministro disse ainda que se sentia “honrado por estar presente e participar desse evento e prestigiar a posse”. “Importante é que o País hoje deu uma amostra de constitucionalidade e segurança institucional”, frisou.

Meirelles, que tem sido apontado como provável candidato à Presidência em 2018, desconversou a respeito de uma possível candidatura e repetiu que hoje atua como ministro da Fazenda.

Para o presidente do Senado Federal, Eunício Oliveira (PMDB-CE), a procuradora-geral será “dura, mas democrática”, e a sua posse “inicia um novo momento do País”. “Ela disse aquilo que todos nós esperávamos: que ninguém esteja acima da lei e que ninguém esteja abaixo da lei. Nem o presidente da República nem ninguém. Ela será dura, mas democrática”, comentou.

 

FONTE : ISTO É

Dados do PIB mostram fim da recessão, diz pesquisador da FGV


O crescimento de 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) no trimestre encerrado em julho deste ano, na comparação com o trimestre encerrado em abril, e outros dados calculados pelo Monitor do PIB, da Fundação Getulio Vargas (FGV), mostram que a recessão econômica do país chegou ao fim. A avaliação é do coordenador do estudo, Claudio Considera.Segundo os dados da pesquisa, divulgada hoje (18), a alta do PIB chegou a 1,1% na comparação com julho de 2016.“O Monitor do PIB mostra mais um mês na direção positiva. Eu destaco os desempenhos da agropecuária, da extrativa mineral e da própria indústria da transformação, que teve o primeiro resultado positivo desde março de 2014”, disse Considera.Por outro lado, no entanto, há resultados negativos, como a queda de 4,5% na formação bruta de capital fixo, isto é, os investimentos, na comparação do trimestre encerrado em julho deste ano com o mesmo período do ano passado. A queda foi puxada principalmente pelo desempenho negativo da construção (-9,7%).“Pelo lado da demanda, as famílias estão ainda endividadas, receosas de perder o emprego, para pegar um empréstimo [para compra de imóveis] e os estados e municípios, os contratantes das grandes obras, estão quebrados. Então, a construção ficará negativa por muito tempo”, afirma Considera.