Ocorrências Policiais


Bandidos assaltaram residência na rua do Avião.

Segundo depoimento da vitima, estava na porta de casa, quando foi surpreendido por dois elementos armados, ali  anunciaram o delito e levaram o seu aparelho celular.  Notando que a vitima estava sozinha em casa, levaram também uma TV de 51 polegadas, um par de sapato e pequena quantidade em dinheiro.

Elementos fazem a limpa no condomínio do francês.

Os seguranças que prestam serviço a Caixa Econômica Federal tomando conta das obras do condomínio do francês,  na rua do Catu, contaram que tiveram de bater em retirada dos seus postos de trabalho, por conta de cerca de 9 elementos que invadiram a área, e que dois deles estavam armados.

Na oportunidade, foi furtado varias varas de ferro  modelo 5\16 .

Motocicleta foi furtada na porta de clube.

Um cidadão prestou queixa contando que deixou a sua moto uma CG 150 preta placa OUF 3696 licença de Alagoinhas estacionada na porta do Tênis Clube, e depois de sair do evento, não mais a encontrou. Restando-lhe apenas registrar o boletim de ocorrência.

Cabrito e galos de raça foram furtados no Petrolar.

Segundo do queixoso, elementos desconhecidos, entraram em sua propriedade, e furtaram um animal cabrito pelagem marrom, e dois galos da raça índio grande.

Dois suspeitos foram apresentados na delegacia, mas negaram a autoria  do delito.

 

Mulher foi roubada na Santa Terezinha

Segundo ela se deslocava para casa, quando foi abordada por dois elementos que estavam numa moto modelo Pop 100, onde o carona armado anunciou o delito.  Levaram o seu aparelho celular.

Homem foi encontrado morto na Praça Kennedy

Ontem a tarde um mau cheiro oriundo de uma residência que fica nos fundos da igreja de Nossa Senhora das Candeias, despertou a curiosidade dos transeuntes e vizinhos, onde deram por falta do proprietário do imóvel o senhor Durval Gonçalves Macedo de 62 anos.  Com a chegada dos parentes abriram a casa e notaram que ele estava morto.  Um médico esteve no local e atestou a morte súbita, sendo assim não houve necessidade de ir para o IML.

O corpo estava envolto em um lençol, em estado de gigantismo.

Motorista de caminhão revoltado presta queixa na delegacia

Segundo a vitima estava de viagem marcada para entregar uma determinada mercadoria, onde o seu caminhão ficou impossibilitado de pegar a estrada.  Ele contou ao agente de plantão que para sua surpresa ao acordar e se arrumar para mais um dia de trabalho, não pode dar a partida de seu veículo por conta do furto da bateria.  Que não é a primeira vez que este fato acontece.  Endereço do delito, Avenida Rio Branco.

Empresa de Picciani fez até ‘terceirização’ de lavagem de dinheiro, diz Procuradoria


Na manifestação ao Tribunal Regional Federal da 2.ª Região (TRF2), que originou a Operação Cadeia Velha, desdobramento da Lava Jato, o Ministério Público Federal afirma que o ‘principal propósito’ da empresa Agrobilara, controlada pelo presidente da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani (PMDB) e sua família, é a lavagem de dinheiro. A Agrobilara tem sede em Uberaba (MG), cidade onde a Polícia Federal prendeu Felipe Picciani, filho de Jorge, na manhã desta terça-feira, 14. O presidente da Assembleia fluminense foi levado para depor. A Procuradoria cita, no documento, o ex-governador do Rio Sérgio Cabral (PMDB) e a empreiteira Carioca Engenharia. Em delação, uma executiva da empresa disse que ‘comprou vacas superfaturadas’ da Agrobilara. “Os negócios no ramo de gado de Jorge Picciani servem para lavagem do produto de crimes antecedentes de corrupção praticados por ele, mas também, em demonstração de grande sofisticação, praticados por terceiros (Carioca Engenharia), para pagamento de propina em espécie a Cabral e para lavagem do produto do crime de corrupção de outros funcionários públicos”, afirma o Ministério Público Federal. Controlam a Agrobilara os peemedebistas Leonardo Picciani, ministro dos Esportes (Governo Michel Temer), Jorge Picciani, presidente da Assembleia Legislativa do Rio, e Rafael Picciani, deputado estadual. “Sem dúvida o deputado Jorge Picciani conta com a colaboração indispensável de seu filho Felipe Picciani, que no site do Grupo Monte Verde (Agrobilara) é apresentado como zootecnista que se dedica integralmente à Monte Verde. Aliás, a dedicação à Agrobilara, além da submissão às diretrizes de seu pai na condução dos negócios fica patente nos e-mails trocados entre eles, o que significa dizer que Felipe age em consonância com o principal propósito da empresa, ou seja, lavagem de ativos dos crimes praticados por seu pai e por outras pessoas da esfera de conhecimento do seu pai (empresários e funcionários públicos)”, diz a Procuradoria. Jorge e Felipe Picciani foram citados também na delação premiada do ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro Jonas Lopes de Carvalho Júnior. O delator relatou que ajustou com Picciani pai ‘o subfaturamento da operação de compra do gado’. “Procurou, então, Felipe Picciani para lhe auxiliar; que chegou a ir a Fazenda de uma agropecuária da família Picciani em Uberaba/MG (Agrobilara), por meio de avião particular, jato, que saiu do aeroporto Santos Dummont”, narrou. “Nessa oportunidade, estava acompanhado do deputado estadual Jorge Picciani e seu filho Felipe Picciani, ambos sócios da referida agropecuária.” Segundo o delator, na ocasião, ele ‘comprou 100 novilhas Girolando, ao custo de R$ 600 mil’. Jonas Lopes Júnior declarou ter ajustado com pai e filho ‘a emissão de notas fiscais referentes ao gado em valores inferiores da quantia real do preço ajustado’. “O valor correspondente às notas fiscais foi quitado mediante pagamento em 24 parcelas de R$ 50 mil cada; que Felipe comparecia ao Gabinete da Presidência do TCE/RJ para recolher o dinheiro ou na residência do colaborador (Jonas Lopes Júnior); que os recursos utilizados no pagamento em espécie do gado eram provenientes dos ativos auferidos ilicitamente em razão do cargo de Conselheiro do TCE/RJ”, relatou.

Bahia ganha 270 quilômetros de redes de transmissão eólica


Referência em energias limpas, a Bahia ganhou uma importante estrutura para o setor, com a oficialização das entregas da Concessionária Odoyá Transmissora de Energia S.A., na noite desta terça-feira (14). O evento, realizado no Hotel De Ville, no bairro de Itapuã, em Salvador, teve a presença do governador Rui Costa e de diversas autoridades, entre elas o cônsul geral da Espanha, Gonzalo Fournier. A solenidade representou a instalação de mais de 270 quilômetros de linhas de transmissão e quatro subestações. Na ocasião, Rui destacou a participação do Governo do Estado na promoção do desenvolvimento e atração de novas empresas do segmento de energia eólica e solar. “Estamos trabalhando, inclusive, para tornar a Bahia o centro de referência de energia solar, já que, entre todos os estados brasileiros, é o que oferece maior potencial em intensidade e extensão, tanto para energia eólica como energia solar”, ressaltou. Pertencente ao grupo espanhol Cymi e à gestora de fundos canadense Brookfield, a concessionária está instalada em 13 cidades do estado baiano e é especializada na construção de estações e redes de distribuição de energia elétrica. Juazeiro, Morro do Chapéu e Sapeaçu são algumas das cidades em que a Odoyá está presente e detém instalações de grande porte. As novas estruturas foram dotadas de energia em agosto, permitindo a ampliação da oferta de transmissão de energia. O objetivo da iniciativa é conectar os parques eólicos da Bahia ao Sistema Elétrico Interligado Nacional. “A energia já era gerada e ficava concentrada nos parques, sem ser consumida completamente, pois não tinha quem as levasse. Agora, boa parte do território pode ser beneficiada com essas ligações”, lembra o diretor técnico de Concessões da Concessionária Odoyá, Marcelo Vargas. Os secretários estaduais de Meio Ambiente, Geraldo Reis, de Turismo, José Alves, de Infraestrutura, Marcus Cavalcanti, e de Cultura, Arany Santana, também participaram do evento.

Refúgio de Ricardo Teixeira no Brasil não é garantia de impunidade, diz PGR


O Ministério Público Federal deu garantias às autoridades espanholas de que Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, será processado no Brasil por supostamente ter desviado milhões de euros da seleção e que seu caso não seria engavetado. A Espanha, que investigava o caso, aceitou o argumento e optou por transferir ao Brasil o processo criminal envolvendo o ex-cartola. Ele é acusado de lavagem de dinheiro e desvio de recursos dos jogos da seleção, denúncia revelada pela reportagem do Estado em 2013, algo que ele nega. Em julho, uma ordem de prisão internacional foi emitida pelos espanhóis contra Teixeira, que nega qualquer tipo de crime. Mas jamais foi aplicada no Brasil. O ex-dirigente vivia nos EUA até 2014, mas apressou sua mudança ao Brasil quando as investigações do FBI começaram a ganhar forma e eclodiram, em 2015, contra o mundo do futebol. Desde então, ele passou a ser investigado também na Suíça, Espanha, Andorra e foi até mesmo alvo de procuradores na França, que descobriram uma conta sua em Mônaco. A polícia espanhola chegou a flagrar uma conversa telefônica entre Teixeira e Sandro Rosell ex-presidente do Barcelona, em que o brasileiro o consulta sobre qual país seria adequado para uma saída caso sua situação no Brasil se complicasse. Na semana passada, o Estado revelou com exclusividade que Madri aceitou a solicitação da Procuradoria Geral da República (PGR) e deu sinal verde para que o processo contra o cartola seja enviado ao Brasil. Agora, documentos da decisão na Espanha sustentam que a transferência do caso para a Justiça o Brasil seria o melhor caminho para garantir uma punição e indicam que procuradores brasileiros foram quem solicitaram que o processo chegasse às suas mãos para “impedir a impunidade”. A cooperação judicial estava prevista em um acordo entre Brasil e Espanha, assinado ainda em 2006. Com base em reportagens do Estado, procuradores espanhóis iniciaram investigações que apontaram para o desvio de recursos envolvendo amistosos da seleção brasileira. O Ministério Público da Espanha prendeu o ex-presidente do Barcelona, Sandro Rosell, e emitiu ordem de prisão contra Teixeira. A suspeita é de que contratos falsos permitiam que cerca de 500 mil euros fossem desviados aos dois dirigentes, sem que serviços legítimos fossem prestados, a cada amistoso do Brasil. O dinheiro terminava em contas sigilosas em Andorra e o MP espanhol acusa tanto Rosell como Teixeira de fazer parte de uma organização criminosa transnacional. “Os fatos se referem à ocultação de recursos obtidos de forma ilegal a partir da venda de direitos audiovisuais da seleção brasileira de futebol realizada pela CBF, em favor da ISE, empresa com sede nas ilhas Cayman e titular do direito de organizar as partidas da seleção”, aponta o documento. “Teixeira e Rosell se utilizaram de empresas de fachada e contas bancárias, principalmente no principado de Andorra, para ocultar os recursos obtidos a partir das vendas de direitos de transmissão de jogos da seleção, com prejuízo para a CBF”, disse. “Autoridades espanholas descobriram que Teixeira, presidente da CBF entre 1989 e 2012 e membro da Fifa entre 1994 e 2012, recebeu indiretamente por meio de pessoas jurídicas grande parte dos 8,3 milhões de euros cobrados por intermédio da Uptrend, empresa com sede em Nova Jersey, nos EUA, na aquisição dos direitos de transmissão das partidas da seleção”, indicou.

Ex-companheiro suspeito de assassinar corretora de imóveis é detido pela polícia


O homem suspeito de assassinar uma corretora de imóveis dentro de um apartamento onde o casal morava no bairro do Barbalho, em Salvador, foi detido pela polícia nesta terça-feira (14). O corpo de Janaína Silva de Oliveira, de 42 anos, foi encontrado pela sua filha no final da tarde de sexta (10), com marcas de facadas pelo corpo.

A vítima e o suspeito mantinham um relacionamento há cinco anos e segundo familiares e amigos, ela era agredida constantemente. Janaína, inclusive, já havia prestado queixa contra o ex-companheiro.

“Ele era extremamente ciumento. Ela me falava disso. O ciúme dele era doentio. Ela não podia falar com ninguém, ela não podia olhar para o lado. Tinham agressões verbais, muitas, e agressões físicas. Inclusive, ela me mandava fotos com agressões físicas dele, e eu vi pessoalmente como ficava o rosto dela machucado”, disse Tukka Moura, prima de Janaína, em entrevista à Rede Bahia.

Camaçari: Quadrilha que ‘vendia’ vagas no Minha Casa Minha Vida é desarticulada


A Polícia Civil desarticulou uma quadrilha envolvida na venda de supostas vagas para o programa social Minha Casa Minha Vida, na cidade de Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador (RMS). A funcionária da Prefeitura de Camaçari Marizete Pereira da Encarnação, Isau Pereira Bispo, o “Borrachinha”, Carlos Silva dos Santos, o “Lula”, Joseane Paixão de Souza, e Andréa Cristina Amélia do Nascimento foram presos, na cidade, nesta segunda-feira (13).  De acordo com a Polícia Civil, as investigações foram iniciadas após denúncias anônimas informarem à polícia sobre o golpe que vinha sendo aplicado pelo grupo. Eles cobravam entre R$ 1 mil e R$ 3 mil pela promessa de um imóvel do programa de habitação. O grupo é acusado ainda de atear fogo na sede da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seinfra), de Camaçari, três vezes na tentativa de destruir evidências que comprovassem a fraude.