Corpo do jornalista Marcelo Rezende é sepultado em São Paulo


O corpo do jornalista Marcelo Rezende foi sepultado na tarde deste domingo (17) no Cemitério de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, após ter sido velado na Assembleia Legislativa. O corpo seguiu ao cemitério levado por um caminhão dos Bombeiros.

A cerimônia de sepultamento foi restrita à família. O público que ficou na entrada do cemitério aplaudiu quando o veículo trazendo o corpo do jornalista chegou.

Marcelo Rezende morreu no último sábado (16), aos 65 anos, em virtude de complicações de um câncer de pâncreas e fígado.

Rezende abandonou a quimioterapia há alguns meses após a descoberta do câncer e decidiu seguir o tratamento com a medicina alternativa. O jornalista deixa cinco filhos, duas netas e sua namorada, Luciana Lacerda.

 

 

FONTE : VARELA NOTÍCIAS

2ª instância da Lava Jato é mais alinhada ao MPF


Um colegiado relativamente coeso, alinhado mais com o Ministério Público Federal (MPF) do que com o juiz federal Sérgio Moro. É esse o retrato da 8.ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), a segunda instância nos julgamentos da Operação Lava Jato, segundo um curioso estudo do economista Pedro Fernando Nery, consultor legislativo do Senado Federal. Nery selecionou uma amostra de 95 votações da 8.ª Turma, todas deste ano, e aplicou, comparando-as, um modelo espacial de votação, conhecido como W-Nominate, muito usado pela ciência política americana para analisar o histórico de votações no Legislativo. “Essa ferramenta permite traçar um mapa da tendência dos votantes, permitindo a visualização, em um único gráfico, da divisão dos parlamentares no espectro esquerda-direita”, explicou Nery. O primeiro caso em que aplicou o método ao Poder Judiciário foi o julgamento da Ação Penal 470, o chamado mensalão, pelo Supremo Tribunal Federal (STF). “Foi possível visualizar, por exemplo, o tradicional isolamento do ministro Marco Aurélio, que frequentemente é voto vencido”, disse o consultor do Senado.

 

FONTE : POLITICA LIVRE

Em prefácio, FHC diz que livro ‘A Reconstrução do Brasil’ é ‘estrada a percorrer’


Entre setembro do ano passado e janeiro de 2017, o Estadão publicou uma extensa série de matérias sobre a agenda de reformas que o Brasil tem de enfrentar para reconquistar um futuro coletivo melhor para os cidadãos e cidadãs que aqui vivem e trabalham. Ao reuni-las em um livro, o jornal oferece à sociedade um diagnóstico dos desafios nacionais e um mapa da estrada que o País terá de percorrer para superá-los neste e nos próximos mandatos presidenciais. O livro vem em boa hora. Quis a história que os 30 anos da Assembleia Constituinte que resultou na Constituição de 1988 coincidissem com a retomada do debate público e da iniciativa do governo em relação a mudanças institucionais marginalizadas nos três mandatos presidenciais anteriores ao atual. Postergadas a partir de 2003 e substituídas por políticas econômicas destruidoras do equilíbrio fiscal e da capacidade de crescimento da economia a partir de 2010, essas reformas se tornaram não apenas necessárias para assegurar um futuro melhor, mas também urgentes para resgatar o Brasil da profunda e prolongada crise econômica legada pelo ciclo petista. O presidente Michel Temer compreendeu que sua breve passagem pela Presidência deveria estar dedicada à missão histórica e reiniciar o processo de reformas, a começar por aquela que maior dificuldade política representa, a da Previdência. Merece crédito por isso. A reconstrução do Estado e da economia brasileira será longa, exigirá perseverança e sentido de direção. Nenhuma sociedade se move se não souber aonde quer chegar. E se não tiver uma razoável noção dos processos que a levaram às dificuldades do tempo presente. O livro que o leitor tem em mãos contribui para a compreensão do passado dos últimos 30 anos, assim como para o debate a respeito do futuro previsível. Leia mais no Estadão.

 

FONTE : POLITICA LIVRE

 

Troca de tiros em Sussuarana termina com policial baleado e suspeito morto


Um policial foi baleado e um suspeito, morto, em meio a uma troca de tiros na “Baixa do Chapéu”, localidade do bairro de Sussuarana, na manhã deste domingo (17). O tiroteio ocorreu por volta das 10h quando militares do motopatrulhamento da 50ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) faziam rondas na área e suspeitaram de dois homens em uma motocicleta. Segundo informações da assessoria de comunicação da corporação, os PMs passaram a seguir os suspeitos, que abondaram o veículo e começaram a atirar contra os policiais. Assim, um dos PMs acabou baleado no pé. Ele foi socorrido para um hospital particular e o estado de saúde é estável, sem risco de morte. Já um dos suspeitos, que também foi atingido, foi socorrido por uma guarnição da 50ª CIPM para o Hospital Geral do Estado (HGE), mas não resistiu aos ferimentos e veio a óbito. Com o acusado, os policiais encontraram uma pistola calibre 40, R$ 238, 82 pedras de crack e 13 papelotes de cocaína.

 

FONTE : BAHIA NOTÍCIAS

Raquel Dodge vai criticar vazamentos e condenações midiáticas em posse, diz coluna


 

Nova procuradora-geral da República, Raquel Dodge vai criticar vazamentos ocorridos em meio às operações administradas pela equipe de seu antecessor, Rodrigo Janot. Esse posicionamento fará parte do discurso de posse, que acontece em cerimônia nesta segunda-feira (18). Segundo informações do blog Painel, da Folha de S. Paulo, Raquel também vai destacar os danos provocados por condenações midiáticas à Procuradoria-Geral da República (PGR). Além disso, ela deve defender o respeito ao devido processo legal e a harmonia entre os Poderes. De acordo com a publicação, Raquel ainda explicou a colegas do Judiciário que a decisão de criar uma estrutura para revisar delações premiadas não significa perseguição. O objetivo seria encontrar lacunas para novas investigações.

 

FONTE : BAHIA NOTÍCIAS

Embaixadora dos EUA diz que ONU esgotou opções sobre Coreia do Norte


 

Para a embaixadora dos Estados Unidos na Organização das Nações Unidas (ONU), Nikki Haley, o Conselho de Segurança da ONU já não tem mais o que fazer diante do avanço do programa nuclear da Coreia do Norte. Ela afirmou ao State of the Union, da CCN, que os EUA podem ter que deixar o assunto nas mãos do Pentágono. “Nós esgotamos todas as coisas que poderíamos fazer no Conselho de Segurança neste momento”, ressaltou, acrescentando que se sente perfeitamente feliz em repassar o problema para o secretário de Defesa, James Mattis. “Estamos tentando todas as outras possibilidades que temos, mas há muitas opções militares na mesa”, adiantou, segundo informações do G1. Por outro lado, o líder norte-coreano Kim Jong Un afirmou, no sábado (16), que o projeto do país de desenvolver sua força nuclear “está quase concluído”. “Nosso objetivo é estabelecer o equilíbrio da força real com os EUA e fazer com que os governantes norte-americanos não se atrevam a falar sobre uma opção militar”, explicou Kim Jong Un. O último teste da Coreia do Norte foi feito na sexta (15) com o lançamento de um míssil que sobrevoou o Japão e caiu no Oceano Pacífico.

 

FONTE : BAHIA NOTÍCIAS