Exoneração de Imbassahy é publicada no Diário Oficial da União


A exoneração de Antonio Imbassahy (PSDB-BA) da Secretaria de Governo foi publicada nesta quinta-feira (14) no Diário Oficial da União (DOU). A saída do tucano, que pediu demissão no último dia 8, foi anunciada na semana passada – o ministério será ocupado pelo deputado federal Carlos Marun (PMDB-MS), cuja cerimônia de posse seria nessa quinta, mas foi adiada, já que o presidente Michel Temer está internado após um procedimento de desobstrução da uretra e ainda não teve alta . A nova data da solenidade ainda não foi confirmada. Imbassahy agora reassumirá sua cadeira na Câmara dos Deputados.

CPMI da JBS aprova relatório que pede a investigação de Rodrigo Janot


A Comissão Mista Parlamentar de Inquérito (CPMI) da JBS aprovou nesta quinta-feira (14) o relatório do deputado Carlos Marun (PMDB-MS), relator da comissão, que pede a investigação do ex-procurador geral da República Rodrigo Janot. A votação ocorreu de forma simbólica, já que a sessão estava com quórum baixo. Novo ministro da Secretaria de Governo, mas com posse adiada nesta quinta-feira (14), Marun confirmou que não pediria o indiciamento de Janot e de seu ex-chefe de gabinete, Eduardo Pelella, como inicialmente foi proposto no relatório. A mudança foi resultado de um acordo, já que o governo, que pedia a retirada dos pedidos de indiciamento, e os parlamentares da comissão ameaçavam pedir verificação de quórum, o que derrubaria a sessão e levaria ao encerramento da CPI sem a aprovação de um relatório. “Eu continuo convicto de que o [ex-]procurador [Geral da República] Janot se utilizou do seu cargo para tentar depor o presidente da República, mas concordo que são necessárias maiores investigações para que fique absolutamente provada a materialidade desse crime”, afirmou Marun.

Corpo encontrado no entroncamento de Sátiro Dias pode ter sido de um dos elementos que assaltaram o banco em Olindina


No dia de ontem no entroncamento de Sátiro Dias foi encontrado o corpo de um jovem moreno, o qual estava descalço porem com um par de tênis ao lado, trajando bermuda jeans e camisa pólo listrada em azul e branco.

Apresentava ferimentos na Cabeça provavelmente ocasionados por disparos de arma de fogo.

O que intriga no defunto são as semelhanças entre o tênis e os anéis da mão esquerda, que são os mesmos de um dos integrantes, o qual foi filmado momentos antes de embarcarem no veículo Prisma que estava na quadrilha. O elemento não portava documentos.

O corpo foi encaminhado ao IML de Alagoinhas.

Alagoinhas: Discursão entre “amigos” quase leva um para o cemitério


Na noite de ontem por volta das 23 horas a PM foi acionada onde segundo informações, duas pessoas entraram em vias de fato em um barzinho, sendo que Alain José Pereira Costa de 47 anos, acabou levando uma facada no abdômen onde foi socorrido ao HRDB, e permanece internado, porém sem correr risco de morte.

O seu algoz Rafael Miranda Barbosa 29 anos, foi conduzido a delegacia, onde contou a sua versão à autoridade policial.

Alain é funcionário do SAAE, e também é professor de matemática, sua mãe  Dona Lucia que reside na Rua José Joaquim Leal  na Praça Kennedy entrou em contato conosco, onde segundo ela ouviu dizer que em um programa de radio, anunciaram que o seu filho havia falecido, fato que graças a Deus não aconteceu.

O Fato se deu na Avenida Rio Branco em um barzinho que ao lado funciona um lava jato.

PGR pede a STF que abra inquérito sobre ameaça de morte de Lúcio Vieira Lima a Calero


A Procuradoria Geral da República (PGR) protocolou no Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de abertura de inquérito para apurar denúncia do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero contra o deputado federal Lucio Vieira Lima (PMDB).

Calero havia denunciado à PGR uma ameaça de morte por parte de Lúcio Vieira Lima, irmão de Geddel Vieira Lima, preso desde setembro.

Segundo Calero, a ameaça foi feita em novembro de 2016 numa conversa de Lúcio com o presidente da Fundação Palmares, Erivaldo Oliveira, que contou o caso ao ex-ministro.

A PGR pediu medica cautelar de recolhimento noturno de Lúcio, mas o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, ainda não decidiu.

‘Não quero ser candidato se for culpado’, afirma Lula


Em reunião com as bancadas do PT na Câmara e no Senado, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quarta-feira 13, que vai lutar para defender a sua inocência e pediu para que os petistas ergam a cabeça para vencer a batalha diante das acusações contra ele e o partido.Em discurso, que durou aproximadamente 30 minutos, Lula disse que há uma tentativa de impedir que o PT volte ao poder. “Não quero ser candidato por ser candidato. E não quero ser candidato se for culpado. Eles (acusadores) que apresentem à sociedade uma única culpa. O máximo que conseguem dizer é que Lula sabia”, disse o ex-presidente.O presidente de honra do PT disse que não quer que os petistas tenham um candidato “escondido” na sua candidatura, ou seja, um candidato que participa do pleito para não ser preso. Lula ressaltou que tudo que não quer é ser condenado sendo inocente. “Se apresentarem provas contra mim de todas as acusações, terei a satisfação de vir aqui e dizer que não posso ser candidato.” Lula repetiu que, se fosse culpado, não teria condições morais de ser candidato. O ex-presidente pediu para que os petistas leiam todo o processo contra ele e que desmoralizem “o power point” do Ministério Público Federal de Curitiba. “Neste momento, acho que só temos uma saída: enfrentar a situação de cabeça erguida”, disse. Lula também reclamou que tem “algo além do jurídico” nesse processo. “O golpe precedeu da ação dos agentes políticos”, afirmou.Ainda na linha de rebater as acusações que pesam contra ele, Lula reclamou que não tem nada pior para desmoralização de uma alma honesta do que a acusação de desonestidade. Em sua avaliação, houve uma “pactuação diabólica” entre a Polícia Federal, imprensa, Ministério Público e o Judiciário. “Se esse País não voltar à normalidade e as instituições não voltarem a funcionar, esse País não tem jeito”, discursou.Lula disse que é respeitador das instituições e afirmou que a democracia só será garantida com instituições sólidas e que essa era sua principal divergência com o ex-presidente venezuelano Hugo Chávez. “É com muita tristeza que vejo hoje o comportamento de setores da PF, do Ministério Público e do Judiciário, que estão totalmente subordinados à opinião pública”, disse. O ex-presidente disse que fica “enfurecido” quando a classe política não reage. Para Lula, os investigadores só deveriam agir diante da mais verdadeira prova apurada no processo. Ele também reclamou de uma suposta ação política mais forte do que o aspecto jurídico. Ainda assim, Lula disse que continua respeitando as instituições e que quer um Ministério Público forte. “A gente não pode dar a impressão de que é contra a apuração. Ninguém apurou mais que o PT”, declarou.Durante o discurso, Lula também disse que a divulgação da recuperação do dinheiro da Petrobras no âmbito da operação Lava Jato é “falácia” e que o prejuízo maior é a falta de investimentos. “O que não pode prender é a pessoa jurídica”, criticou.O ex-presidente disse que o País vive um momento muito especial e que o PT tem de ter orgulho, levantar a cabeça. “Não abro mão da minha defesa. Caráter a gente tem ou não tem. Estão lidando com um cidadão que tem muito caráter”, afirmou. “Faço minha resistência não por mim, mas pelo PT”, disse. Em diversas situações, o ex-presidente pediu que os petistas acompanhem a investigação para que não façam sua “defesa no escuro”. Ele reclamou também que a imprensa vem antecipando a campanha presidencial e que tentam destruir a sua candidatura. Lula recomendou que os petistas reajam às acusações. “Se acharem que vão sobreviver ficando quietos, podem ficar certos de que não vão sobreviver”, finalizou.