Caminhonete que visitou prédio de Geddel para apanhar caixas e malas é de filiado ao PMDB de Governador Mangabeira


O proprietário da caminhonete que visitou o prédio em que mora o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB), no Chame-Chame, para apanhar caixas e malas, durante a penúltima e última semanas de junho, é filiado ao PMDB de Governador Mangabeira. Anatércio Vitena Santos possui registro regular no PMDB, conforme a Justiça Eleitoral. A movimentação do veículo na porta do prédio de Geddel foi registrada pelo bahia.ba. Sempre entre as 5h e 6h, em dias seguidos, o veículo estacionava na frente do Edifício Pedra do Valle e deixava o local com uma mala ou caixa, cujo conteúdo não era possível verificar. No dia 7 de julho, Geddel foi preso e levado para Brasília. Dias depois, foi liberado para cumprir prisão domiciliar. A Polícia Federal divulgou nesta terça-feira (5) que encontrou malas e caixas com dinheiro em um apartamento na Graça, que, conforme decisão judicial, teria sido utilizado para guardar pertences do pai do ex-ministro. Em 2012, Anatércio recebeu R$ 15 mil por serviços prestados de aluguel de carro de som para a campanha de Marcelo Pedreira (PP), então candidato a prefeito de Governador Mangabeira. A reportagem tentou entrar em contato com Anatércio, mas ele não atendeu ou retornou às ligações.

 

 

Sosthenes Campos parabeniza Aramari em seu aniversário


É hoje, 06 de setembro, o aniversário de emancipação política de Aramari.

O prefeito de Pedrão parabeniza o vizinho município: sua terra e sua gente.

“O que o povo de um município espera do seu prefeito são obras, e Fidel Dantas deu um belo presente ao seu povo, revitalizando a Lagoa, um cartão postal da região”, enfatiza o Galego da Saúde.

Catu: Elemento tomba em confronto com a PM


Ao realizar rondas de rotina no povoado de panelas, fomos abordados por moradores q informaram sobre dois elementos armados transitando no povoado de Panelas, a vtr PETO Rural (9502) deslocou para o local informado para abordar os suspeitos.

 

Os indivíduos ao perceberem a aproximação dos policiais efetuaram disparos de arma de fogo contra os mesmo.

Sendo assim, foi feito o revide a injusta agressão, onde um dos indivíduos evadiu pelo matagal e o outro de vulgo “Galego” foi alvejado.

De prontidão o mesmo foi socorrido pela a guarnição para o Hospital Municipal de Catu.

No atendimento médico, foi percebido que o indivíduo não resistiu e veio a óbito. Ainda no local foi informado que tratava de um contumaz em crimes, abigeato e assaltos a ônibus escolares.

O fato foi informado a DP de Catu e posteriormente apresentado na DP de Alagoinhas.

Material apreendido e apresentado

– Um Revólver (Calibre 32, marca ITALO G.R.A., com numeração de registro suprimida).

 

Antes do bunker, Cunha e Funaro já citaram entrega de dinheiro a Geddel; lembre casos


Na maior apreensão de dinheiro da história do Brasil, a Polícia Federal (PF) apreendeu mais de R$ 51 milhões em um apartamento usado pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB). O montante estava distribuído em oito malas e seis caixas. Ainda não se sabe a origem do dinheiro, o que deverá ser explicado pelo peemedebista nos próximos dias, mas essa não é a primeira vez que Geddel tem seu nome vinculado a repasses suspeitos. Em janeiro deste ano, quando foi deflagrada a Operação Cui Bono? – que apura casos de corrupção, quadrilha e lavagem de dinheiro na Caixa Econômica Federal (CEF) –, a Polícia Federal divulgou conversas datadas de 2012, período em que o político baiano ocupava a Vice-Presidência de Pessoa Jurídica da CEF. Diálogos com o deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) mostram que os dois combinaram a entrega de uma encomenda no Hotel Clarion Faria Lima, em São Paulo. Na ocasião, Cunha foi representado por Altair Alves Pinto e Geddel mandou um homem chamado “Gustavo”. A conversa também dá a entender que o repasse “da mesma coisa” já havia ocorrido outras vezes. O tal Gustavo não deveria ir de carro até o hotel, pois o carro de Cunha já estaria no local para levá-lo até um ônibus (saiba mais aqui). Meses depois, em 13 de julho deste ano, o doleiro Lúcio Funaro disse que costumava entregar “malas ou sacolas de dinheiro” para o peemedebista. Em depoimento ao Ministério Público Federal (MPF), o doleiro disse que “fez várias viagens em seu avião ou em voos fretados, para entregar malas de dinheiro para Geddel Vieira Lima; que essas entregas eram feitas na sala VIP do hangar Aerostar, localizada no aeroporto de Salvador, diretamente nas mãos de Geddel” (saiba mais aqui). Apontado como operador de propina do PMDB, Funaro fechou delação premiada com o MPF. O acordo foi homologado pelo ministro Edson Fachin nesta terça (5). Desta vez, o apartamento onde foi encontrado o bunker foi alvo de apreensão determinada na Operação Tesouro Perdido, terceira fase da Cui Bono?. O juiz Vallisney de Souza Oliveira, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), de Brasília, determinou também a apreensão de HDs das câmeras de segurança do prédio, a fim de descobrir quem levou o montante para o imóvel (saiba mais aqui). Embora não seja de propriedade do ex-ministro, o apartamento era cedido a Geddel para guardar pertences de seu falecido pai. Até o momento, o peemedebista permanece em prisão domiciliar, em Salvador.

Bombardeiro do governo atinge centenas de Civis na Siria


A esperança de paz na Síria caminha pela beira do abismo após a escalada de ataques que solaparam uma trégua em vigor há dois meses. Bombardeios aéreos nesta quinta-feira em Aleppo mataram pelo menos 27 pessoas no hospital Al Quds, que recebe assistência da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF). Entre as vítimas há três crianças e três médicos, incluindo o último pediatra que restava na zona rebelde da cidade. Metade do total de mortos foi vítima do desabamento de um prédio vizinho, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, que não identificou os aviões responsáveis pelo bombardeio, mas observou que só o regime de Bashar al Assad e seus aliados russos contam com aviões de combate nesse conflito. Bombardear um hospital constitui crime de guerra.

“Condenamos a destruição do hospital Al Quds, perfeitamente identificado como alvo proibido, o que priva a população de atendimento médico básico”, afirmou o MSF em nota. “Foi um ataque aéreo da aviação russa com dois poderosos foguetes”, relatou um ativista local ouvido pela BBC em Aleppo. O Comitê Internacional da Cruz Vermelha alertou que a escalada bélica ameaça causar uma catástrofe, dada a impossibilidade de prestar ajuda humanitária à cidade.

Os combates se generalizaram durante a última semana em Aleppo, principal cidade do norte da Síria, onde, segundo o Observatório, mais de cem civis morreram em bairros controlados pela oposição, e cerca de 50 nas áreas sob poder das forças governamentais. O El Watan, um dos principais jornais do regime sírio, anunciou nesta quinta-feira uma ofensiva imediata para “completar a libertação de Aleppo e sua província”, derrotando “aqueles que pensam em dividir o país”.